Coronavírus, causador da Covid-19 (Foto: Divulgação/OMS)

COVID-19 Secretaria de Saúde de Campina Grande detecta duplicidade de casos na base de dados do Estado em relação ao Municipio

COVID-19 

Secretaria de Saúde de Campina Grande detecta duplicidade de casos na base de dados do Estado em relação ao Municipio  Secretário Filipe Reul determinou revisão imediata nos dados e exclusão dos regitros duplicados  

A Diretoria de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde de Campina Grande detectou uma situação, no mínimo, estranha: duplicidade de casos positivos de Covid-19 no banco de dados de notificações da doença da Secretaria de Estado da Saúde – SES em relação ao Município. Por conta disso, o secretário Filipe Reul determinou a revisão e exclusão imediatas no sistema de todos os casos duplicados Covid-19. O trabalho já foi iniciado pela Vigilância e deve alterar as estatísticas da doença na cidade. Filipe Reul explicou que, após tomar conhecimento da incongruência na base de dados, informou aos técnicos da SES, que reconheceram o erro no sistema e se comprometeram em regularizar as informações. Além disso, o secretário também apresentou a situação ao Ministério Público da Paraíba, Ministério Público Federal e Ministério Público do Trabalho, durante videoconferência, realizada na manhã desta quarta-feira, 24. “Se não houver exclusão imediata desses dados em duplicidade, teremos de 20% a 25% de incongruências nas informações apresentadas, resultando na hipernotificação de casos em Campina Grande. Estes dados implicam diretamente nas estatísticas da doença na cidade, interferindo nas tomadas de decisão das medidas de enfrentamento da Covid-19”, alertou o secretário. Estado não filtra dados Segundo o diretor municipal de Vigilância, Miguel Dantas, esse tipo de problema na base de dados pode ocorrer por erro do próprio sistema ou quando uma pessoa faz o teste para Covid-19 mais de uma vez, por exemplo. “Essas falhas de inserção de dados podem ocorrer, mas a revisão dos dados antes de divulgar os casos é de responsabilidade da gestão estadual da saúde, que pode criar mecanismos simples para exclusão dos casos em duplicidade”, explicou. Ainda segundo Miguel Dantas, em Campina Grande, os casos de Covid-19 são alimentados na base de dados por aproximadamente 360 colaboradores, entre hospitais públicos de referência, laboratórios privados e públicos, Unidades de Pronto Atendimento – UPAs 2h, profissionais da rede de atenção à saúde e Unidades Básicas de Saúde. 

Da redação com PMCG

Comentar

Seu endereço de email não será publicado.Campos marcados são obrigatórios *

*